Actualidade

Está aqui

Produtor de queijos implementa o design higiénico da ACO nas suas instalações

24/04/2019
As indústrias alimentares que se dedicam à produção de queijos e de outros produtos lácteos são especialmente sensíveis na escolha do equipamento industrial das suas instalações. O seu objetivo é melhorar sempre a eficiência dos processos e dos produtos, mas com a garantia de inocuidade do produto e que a manutenção seja o mais sustentável e eficiente possível. Por esta razão, uma fábrica de queijos de Valladolid decidiu implementar o design higiénico nas suas instalações, incorporando vários sistemas de recolha de águas residuais, canalização e sistemas de drenagem que fazem parte da gama de produtos Hygiene First da ACO.

A facilidade de limpeza e desinfeção dos equipamentos e das instalações que intervêm no processo de fabrico de produtos lácteos são aspetos fundamentais para garantir a segurança alimentar e a qualidade do produto final. Entre os diferentes materiais de construção a avaliar para atingir estes objetivos, contam-se todos aqueles que têm que ver com a drenagem e as redes de canalização. Uma fábrica de queijos localizada na província de Valladolid ampliou as suas instalações recentemente. O projeto de engenharia especificava a implementação de medidas para optar por um equipamento de design higiénico que reduzisse as despesas de manutenção e garantisse a segurança higiénica, para evitar a contaminação dos produtos a manipular.

 

Soluções higiénicas utilizadas

No planeamento das novas instalações, nas zonas contíguas às cadeias de montagem e nas restantes áreas autorizadas onde circulam trabalhadores e mercadorias, foram instalados metros lineares de calhas de drenagem ACO Box. Trata-se de uma solução modular com largura standard de 200 mm e muito versátil que é capaz de drenar grandes quantidades de água através das suas soluções com sifão integrado. Têm um cesto para sedimentos que evita que as partículas sólidas acabem na canalização ou entupam os sifões dos ralos. Estas calhas de drenagem industrial estão certificadas em conformidade com a EN 1253. Sobre as calhas foram colocadas grelhas higiénicas de barras que são fáceis de limpar e que têm um acabamento obtido por decapagem e passivação com uma superfície antideslizante para aumentar a segurança no local de trabalho. Estão certificadas de acordo com a norma EN 1672.

Nas zonas de processamento em seco, onde são realizadas limpezas húmidas, foram colocados ralos higiénicos ACO com tampas estanques e à prova de odores. Este acessório separa hermeticamente a superfície do pavimento por cima do ralo do espaço que existe no seu interior. As tampas são testadas e certificadas segundo a norma EN 1253.

Tanto as calhas como os ralos da ACO e a canalização instalados são fabricados em aço inoxidável austenítico 1.4302 ou 1.4404 segundo a EN 10088 (304 ou 316L segundo a AISI) que é resistente a produtos químicos agressivos utilizados durante os processos de limpeza. As soluções da ACO têm as seguintes características:

- Cantos e rebordos arredondados com um raio interno mínimo de 3 mm que evitam o alojamento de sólidos e aumentam consideravelmente a eficácia da limpeza.

- Têm um fundo completamente drenável para evitar a acumulação de água estagnada, de odores e o crescimento microbiano.

- São desenhados numa peça única, com interrupções mínimas e sem contacto metal com metal graças à colocação de elastómeros e de juntas higiénicas que evitam a formação de fissuras que possam acabar por alojar bactérias.

- Os sifões são removíveis. Isso permite o acesso direto às condutas em caso de obstrução, eliminando a necessidade de colocar câmaras de visita, que constituem focos perigosos de contaminação.

- Todas as peças recebem um tratamento de eletropolimento e passivação. O eletropolimento visa a rugosidade mínima para que inclusivamente após os procedimentos de limpeza não fiquem restos que possam criar contaminação através da proliferação de biopelículas. A passivação é o procedimento através do qual os produtos são banhados em ácido nítrico para ficarem protegidos contra o cloro, o grande inimigo do aço inoxidável.

Por último, a rede de canalização foi resolvida com o sistema ACO PIPE que conta com um sistema de montagem de ajuste a pressão que facilita a instalação e manipulação in situ. Por ser fabricada em aço inoxidável esta canalização é muito resistente aos choques térmicos o que facilita, por exemplo, a limpeza interior com sistemas de pressão com água quente. Também não dobra quando submetida à força da gravidade, pelo que pode ser instalada em suspensão no teto e em secções mais compridas sem suportes adicionais. O aço inoxidável é, também, um material impenetrável para roedores e é resistente ao fogo, evitando assim a propagação do mesmo a outras zonas.

 

Filosofia Hygiene First

Os produtos e soluções Hygiene First da ACO cumprem os requisitos de design higiénico indicados e recomendados pelo EHEDG (European Hygienic Engineering and Design Group). Esta entidade é um consórcio de fabricantes, indústrias alimentares, institutos de investigação e autoridades públicas de saúde que promove a higiene durante o processamento e embalamento de alimentos e que em Espanha é representada pelo Centro Tecnológico Ainia. Além disso, os produtos da ACO também são os primeiros a aplicar as normas EN 1672 e EN ISO 14159, normas estas normalmente reservadas aos equipamentos em contacto com alimentos.

A ACO, empresa especializada na gestão e no tratamento de águas pluviais e residuais, está consciente de que as instalações de processamento de alimentos são ambientes extremamente sensíveis no que toca à segurança alimentar. A segurança alimentar, a higiene e o controlo de custos são, de facto, fatores vitais a ter em conta na conceção ou na melhoria das instalações de que as empresas do sector agroalimentar precisam para desempenhar a sua atividade. Uma conceção deficitária pode provocar, no melhor dos casos, uma limpeza e manutenção das instalações com custos elevados. Porém, no pior dos casos, poderia gerar uma contaminação alimentar o que implicaria o encerramento temporário de algumas instalações, com as consequentes perdas económicas, ou inclusivamente o encerramento definitivo da empresa.