Actualidade

Está aqui

Wanda Metropolitano, o melhor estádio do mundo

29/03/2019
O novo estádio do Atlético de Madrid, conhecido como Wanda Metropolitano, acolherá a final da `Champions League´ no próximo dia 1 de junho. A instalação desportiva recebeu, além disso, o prémio para o melhor estádio do mundo durante o congresso `World Football Summit´ 2018. Entre as considerações que levaram ao alcance destes marcos, encontram-se o seu design e a arquitetura singular, a operacionalidade durante os dias de jogo, a sua capacidade para a celebração de outros grandes eventos e o alto desenvolvimento tecnológico desta instalação. Nos exteriores, os canais de drenagem Self200 da ACO ocupam-se da drenagem das águas pluviais e da sua recolha para a posterior reciclagem e uso na limpeza das instalações. las instalaciones.

Em 2011, o gabinete Cruz y Ortiz arquitectos foi encarregado de elaborar o projeto da ampliação do antigo estádio de La Peineta, com as premissas de alcançar uma capacidade de 68 000 espetadores e de o transformar numa instalação desportiva de futebol capaz de obter a mais alta qualificação concedida pela UEFA para acolher grandes finais internacionais. Com essas premissas, o estúdio de arquitetura madrileno propôs que o novo coliseu desportivo devia também cumprir um duplo objetivo: por um lado, que não se perdesse a imagem reconhecível da anterior bancada e, por outro, que a ampliação formasse um conjunto harmonioso com o antigo edifício, isto é, que, na realidade, fosse a soma de ambas as partes. Do mesmo modo, no design do novo estádio, a prioridade foi que o espetador tivesse a melhor visibilidade e a maior proximidade com o campo de jogo; claro está, seguindo as recomendações de segurança em caso de evacuação ou as especificidades ditadas pela celebração de jogos de futebol de alto nível e em ocasiões de alto risco.

 

Betão como elemento unificador

A área de intervenção ocupa uma superfície total de 113 182 m2 e o betão é o material de construção que uniformiza e homogeneiza o edifício, presente tanto na estrutura de suporte das bancadas como na cobertura original.

A primeira ação levada a cabo foi baixar a cota da pista de atletismo original, o que permitiu aproximar os espetadores do terreno de jogo sem alterar exigências de visibilidade. A seguinte foi equipar a área a ampliar com uma nova zona de WCs. Para tal, foram construídos dois pisos subterrâneos, destinados quase na sua totalidade a estacionamento. Sobre este alinhamento, onde também se concentram os acessos de público, palcos e todos os serviços complementares, foi construída a nova bancada perimetral disposta em três níveis que rodeiam o terreno de jogo da nova instalação desportiva do Atlético de Madrid.

E, finalmente, a cobertura: um dos elementos mais singulares do novo estádio devido à sua forma ondulante e à sua altura variável. Além de unificar os dois momentos do edifício, cobre praticamente a totalidade dos espetadores e está construída com uma estrutura de aço de 6336 toneladas, tensionada com cabos radiais. As suas dimensões aproximadas são de 286 metros no sentido norte-sul e de 248 metros na direção este-oeste. A estrutura principal da cobertura é composta por um duplo anel de compressão exterior e um duplo anel interior de tração, e dois grupos de cabos radiais. A rede assim formada é coberta com membranas tensionadas. A luz da cobertura (a distância entre os anéis de compressão e tração) é de aproximadamente 57.00 m. A partir do anel de compressão, foi criada uma pala para o exterior, igualmente coberta por membranas tensionadas, que cobre o perímetro exterior da antiga bancada e se prolonga à volta de todo o estádio. Em torno da envolvente, é disposto um canal de recolha de águas exterior vermelho, cor que identifica o Atlético de Madrid. A visão dessa linha vermelha ao longo do perímetro contribui decisivamente para a definição da imagem do estádio.

Já no exterior do edifício, estendem-se os acessos que superam diferentes desníveis do terreno por meio de rampas e escadas, e distribuem-se os cerca de 3000 lugares de estacionamento para os fãs. Com a finalidade de recolher as águas pluviais e de evitar a formação de zonas de acumulação de água em eventos de assistência massiva, foram dispostos canais de drenagem ACO Self 200. Ao canal fabricado em betão polímero, é adicionada uma passarela de ferro fundido que permite as classes de carga A15, B125 e C250, fixa com pino. Os canais de escoamento da ACO passam discretamente pelos exteriores de betão e asfalto. Estes canais versáteis e de grande capacidade hidráulica ajudam a recolher estas águas pluviais e a conduzi-las para depósitos, onde são acumuladas para, posteriormente, serem recicladas e destinadas à rega do terreno de jogo e à limpeza da plataforma.

 

Os escoadouros dos espaços sanitários

Nos espaços sanitários, como nos vestiários e casas de banho (privados e públicos), optou-se por escoadouros de água que possam ser instalados em edifícios existentes que vão ser reabilitados. Soluções que tinham, por exemplo, uma profundidade mínima de instalação. Nos vestiários, foram instalados até 60 metros lineares de canais de chuveiro ShowerDrain C  ao nível do chão, garantindo não só a acessibilidade e a circulação alternada dos vários utilizadores como também a higiene ao facilitar uma limpeza e manutenção ótimas. Este tipo de escoadouros perimetrais são fabricados em aço inoxidável e todas as peças que fazem parte do seu corpo são soldadas para evitar fugas. As grelhas, ao serem feitas a partir de um perfil único, reduzem o transbordo da água. O sifão deste canal de drenagem é totalmente amovível para fins de limpeza e acesso à canalização, para resolver problemas de obstrução. Além disso, trata-se de uma canal resistente que permite a sua utilização em zonas partilhadas, dado que tem uma capacidade de carga A15 (segundo a norma EN124). Nos restantes espaços sanitários, como nos lavabos e casas de banho disponíveis para o público e trabalhadores, foram instalados 200  sumidouros redondos Select em todos os equipamentos desportivos. Fabricados de forma compacta em aço inoxidável AISI 304, são um escoadouro adequado para usar em chãos de cimento, resina ou cerâmica. O sifão faz parte integral da grelha e permite o acesso para desentupir os canos de drenagem.

Ficha técnica

Promotor: Club Atlético de Madrid.

Projeto: Cruz y Ortiz Arquitectos.

Endereço da obra: Cruz y Ortiz Arquitectos: Blanca Sánchez (direção de projeto), Óscar Mínguez, David de Cos, Teresa Cruz, Giordano Baly, Sergio Mota, Pablo Ortiz, Fco. Javier Moreno, Rodrigo Ruiz, Andrea Waldburger, Miguel Velasco, Rafael Hernández, Sonia Gutiérrez.

Direção de execução da obra: Manuel Delgado Martín, Juan Antonio Molina Pérez, Rafael Romero Pérez (Arquitetos Técnicos).

Empresa construtora: FCC Construcción.

Superfície: 141 678 m2.

Data de início e de conclusão da obra: 2011-2017.

Iluminação e engenharia de clima: JG Ingenieros.

Engenharia de estruturas: MC2 Typsa.

Engenharia de cobertura: Schlaich Bergermann and Partner.

Assistência técnica: Cristina Román Esteban (Engenheira Industrial. DCS Management).

Controlo de obra: Análise de Edifícios e Construção.

Solução ACO: Canais de drenagem Self 200 canais de chuveiro ShowerDrain Csumidouros redondos Select

Fotografía: Wenzel.